terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Inverno

          Parece que só agora o inverno chegou pra valer, temperatura agora de -3ºC com sensação de -8ºC.

Eu voltando hoje pra casa

          E de ontem pra hoje caiu bastante neve e finalmente consegui tirar foto no centro de Stuttgart com neve.

Parte da Universidade de Stuttgart que fica no centro

Aqui o que pra mim é o centro de fato de Stuttgart, a Schlossplatz (Praça do Palácio)

A previsão pro resto da semana é de mais frio, isso é um sinal de que está na hora de volta pro Brasil, hahah.


quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Andando com o snowboard!

          Esse final de semana foi talvez o melhor que eu tive durante toda a estadia aqui na Alemanha. Visitamos o Castelo de Neuschwanstein ( um dos edifícios mais fotografados da Alemanha e um dos mais populares destinos turísticos europeus, além de também ser considerado o "cartão postal" daquele país ) e fizemos snowboard nos Alpes em duas grandes estações de esqui diferentes no sul da Bavária! Foi sensacional!
          Antes de fazer o post já vou postar um vídeo que acabei não fazendo enquanto estava nos EUA. É uma das coisas mais da hora que eu acho pra fazer com o snowboard, porque é também meio que engraçado, não sei como se chama isso, eu chamo de andar com o snowboard, pois é com os dois pés presos (normalmente você solta um pé pra poder andar), e você anda como aqueles soldadinhos do Toy Story, hahah, essa é a melhor definição, é exatamente igual. Na verdade em português fica meio confuso porque você já usa o verbo andar pra falar que vai "andar de snowboard", que em inglês você diria simplesmente "to snowboard", a palavra pode ser usada como um verbo. Então em inglês eu diria "walk on a snowboard".



Aqui pra quem quiser ver os soldadinhos do Toy Story:
http://www.youtube.com/watch?v=UG46DnGKOVs&feature=related

          É engraçado que logo no final uma mulher passa e grita em alemão: "Anfänger, gut!". Pelo menos foi isso que eu entendi, traduzindo ao pé da letra significa: "Iniciante, bom!". Que deu a entender que ela estava dizendo que pra um iniciante estava bom, mas tenho quase certeza que ela não entendeu o propósito dos movimentos, ela deve ter achado que eu tava era tentando andar normalmente e me desequilibrando, hahaha.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Moscou (2)

              Continuando a minha saga em Moscou. Eu estava no momento mais tenso da viagem. Como assim eu liguei duas vezes e o telefone chamou até cair? Eu acreditava que ela estaria muito preocupada de não ter me achado, assim como eu estava preocupado de não ter achado ela (muito mais que ela logicamente), logo assim que eu ligasse achei que ele iria atender rapidamente. Mas então eu ligo duas vezes e nada. Acabou, a viagem foi pro saco, vou ter que procurar um hostel barato pra dormir, vai dar um trabalho danado pra achar um barato e eu conseguir chegar lá, e depois estava sem cartão de crédito pra fazer reserva, o que é mais garantido.
              Eu ficava imaginando o que poderia ter acontecido, ou algo muito incomum tinha ocorrido com ela, ou sei lá, ela desistiu de me hospedar e ficou por isso mesmo, hehhehe, não sabia nem o que imaginar. Mas não adianta chorar o leite derramado, eu só tinha um opção: ir pra internet. Primeiro mandar uma mensagem pra ela no Couchsurfing e então procurar hostel. Voltei pra devolver o celular pro cara e perguntei onde poderia acessar internet. Ele disse pra eu ir pro quarto andar.
            Comecei a subir as várias escadas, e pensando o quanto eu tava no fundo do poço, só chegando no quarto andar é que percebi que nem perguntei pra onde ir logo que chegasse lá. Comecei a dar umas voltas pra ver se via algum computador. Andei, andei e nada. Também nem estava a fim de falar com ninguém. Desci novamente. Esperei uns 10 minutos pro cara terminar de atender umas pessoas e agora mandei uma pergunta que seria a minha última esperança: "Cara, alguém retornou a ligação, mandou uma mensagem ou algo do tipo?"
            Momento de tensão... tensão... tensão... .... ... "Não". Puta que pariu!!! Como assim, não podia ser, tava tudo muito errado, só faltava essa russa não ser real, ela fica fazendo pegadinha com quem vai pra Moscou e deixa o cara na rua é? Hueaheuha. Mas não podia ser, ela tinha algumas referências positivas, dava pra ver que não tinha como nada dar errado. O principal motivo de eu já ter voltado e não ficar muito tempo procurando internet é que eu acreditava que ela teria retornado a ligação, não é possível. Mas agora vou ter que voltar novamente e ir pra internet, não tem mais o que fazer. Mas já que estava lá pedi uma última vez pro cara, a esperança é a última que morre: "Cara, por favor, eu poderia ligar a última vez? Eu queria conferir o número, não é possível, deve ter alguma coisa errada." Ele colocou o número rediscado e eu conferi no papel onde eu tinha o número. Tinha algum número de prefixo que ele digitou diferente, eu perguntei e ele disse que era assim mesmo não sei porque, nem discuti mais e liguei, novamente a ligação chamando: chama... chama... ... ... Atendeu!!!!! O quê, como assim? Sim, era ela.
- "Alô?"
- "Alô"
- "Sveta? Aqui é Caio!"
- "Caio, onde você está? Eu esperei você por mais de uma hora e..."
            Cara, ela tava muito chateada, com uma voz que até irritava. E começou a falar que me esperou por mais de uma hora, porque eu não mandei mensagem, blablabla, nem lembro mais o que. Eu tive que interromper e começar a explicar, e como se eu fosse o culpado. Expliquei que tinha feito tudo exatamente como planejado, e ela falou que também, meio que me dando a entender que eu estava inventando alguma história, pelo menos foi isso o que eu consegui entender pelo jeito que ela falava. Só sei que não entendi nada, como assim eu tinha feito algo errado? Tinha alguma coisa muito errada nessa história, mas ela também nem estava muito a fim de escutar meu blablabla todo. Sei que depois ela falou que estava muito cansada e que iria me dizer a estação de metrô pra eu ir pra casa dela. Ela tentou meio que me dizer no telefone, mas como, um nome em russo não vou entender nada, ela falou que iria mandar mensagem, mas se fosse em alfabeto russo também não adiantava nada, no mínimo teria que mandar escrito nos dois alfabetos, eu falei pra ela que estava ao lado de um cara que era russo (o vendendor de chip de celular), que ela poderia explicar pra ele, já que ele fala inglês, e depois ele me explica. Mas ela achou que seria meio difícil mesmo assim, e eu também só queria dizer que achava seria difícil pra mim chegar lá sozinho. Daí ela falou: "Espera um pouco, eu retorno pra você em 5 minutos."
          Como assim? A situação tava complicada mesmo. E imagina só o tempo que eu fiquei no telefone gastando os créditos do cara. Eu então tive que voltar pro cara, entreguei o celular: "Cara, ela desligou e vai retornar em 5 minutos, daí eu vou ficar aqui do lado esperando, ok?" É, digamos que ele não tinha nem o que responder né, só fez aquela cara de interrogação e pegou o celular. Agora imagina, ele ali tentando vender os chips dele e eu ali do lado parado olhando pro teto esperando a ligação voltar, haueheuahe. Alguns minutos depois o celular toca e lá vem ele me entregar de novo. Tava resolvido, a Sveta resolveu que iria me pegar no shopping, marcamos uma loja que estava na minha frente, e eu só perguntei quanto tempo ela iria demorar pra chegar: 1 hora!!!
         Rapaz, eu tava tão cansado, tinha passado tanta preocupação que já eram agora quase 8 horas da noite e eu não tinha comido nada o dia inteiro, só o café da manhã em Stuttgart e alguma barra de cereal no caminho, porque os meus planos eram chegar às 6 e 30 em Moscou e comer em algum lugar. Lembrando que esses 6 e 30 da noite em Moscou são equivalentes a 3 e 30 da tarde em Stuttgart. Sei que ela falou que iria demorar uma hora eu simplesmente sentei num banco e fiquei uma hora parado, mas eu tava tão cansado que aquela uma hora sentado agora sem preocupação não foi nada ruim, passou até rápido, foi só o momento de aliviar a tensão e pensar que agora tinha um teto pra dormir.
          Ela chegou e fomos então pra casa dela. Aquele tempo todo no metrô que demora até lá deu até pra dormir um pouco. Precisamos fazer uma baldeação. No caminho passamos no supermercado (essa hora estava caindo uma chuva misturada com neve) e comprei umas coxas de frango pronta, uma coca-cola e já era. Foi comer aquilo, conversar um pouco pra esclarecer a situação e dormir.
       Resposta: Nós dois estávamos certos, na saída da estação de metrô Kievskaya, de frente para o shopping e esperamos quase uma hora um pelo outro, porque? Simples, a estação tinha duas saídas!!! Nem precisa dizer que eu estava certo e a culpa era dela. Ela não sabia disso, e eu logicamente nem perguntei, pois se ela falou uma saída do metrô que eu saío e dou direto pra um shopping é porque logicamente só tem uma dessa. Mas tinha outra saída que também era na mesma avenida e dava de frente pro mesmo shopping.

domingo, 13 de novembro de 2011

Moscou

                                   File:Moscow in Russia (special marker).svg



           Moscou.. Cidade grande: 10,5 milhões de habitantes, uma São Paulo em população. Mas pelo que eu pude observar me pareceu alguns passos a frente de megalópole brasileira. Pontos em comum: muito trânsito, metrô cheio, muitos lugares em reforma (lugares cheio de grades por onde as pessoas podem passar, o que torna esses lugares feios e bagunçados), as pessoas não esperam sinal verde para o pedestre para atravessar a faixa de pedestre, e logo os carros nem sempre param para o pedestre passar onde não tem sinal, as pessoas andam com pressa e em geral as pessoas não falam inglês.
            Mas o metrô precisa de uma ressalva. O metrô é cheio? Sim, mas pelo menos nos 4 dias que estive lá não teria como comparar com o de São Paulo, em momento algum fiquei espremido dentro do trem, algo muito comum em SP. E peguei metrô em horários que poderiam ser bem cheios, como 8 da manhã, 6 da tarde, etc. O movimento é realmente impressionante, são cerca de 9,2 milhões de pessoas transportadas diariamente, mais que o dobro de SP, mas também com uma extensão 4 vezes maior (são quase 300 km em Moscou, e apenas 74 km em SP).
           Sobre o trânsito não tenho como comparar, já que só me movimentei por debaixo da terra, mas deu pra ver uns engarrafamentos e a russa que foi minha host também falou que é um problema grande.
           Só falei dos pontos negativos, ainda vou falar dos positivos. Mas agora voltando a viagem. Peguei o vôo na quarta de manhã. Antes de ir a minha host já estava me passando umas dicas. Primeiro ela me passou o site para eu já comprar online a passagem de trem que vai do aeroporto até uma estação de metrô perto do centro. O preço bem em conta, 320 rublos, pouco mais de 7 euros. O trem sai de hora em hora e faz esse único percurso, aeroporto - estação de metrô Kievskaya. Cara, isso é algo que falta demais em cidades grandes do Brasil, vou falar em especial de São Paulo. Você chega em Guarulhos, quais suas opções pra ir pro centro? Ônibus ou táxi. Sendo que os taxistas enfiam a faca. Nada melhor que um trem que sai no horário, rápido, não vai ficar parado no trânsito, e eu diria que até a segurança é maior. O trem era realmente muito bom.
No aerporto de Stuttgart

          Acontece que no final não consegui comprar o ticket online, o cartão não passou, não sei porque. Resultado, teria que comprar lá na hora. Resultado, teria que trocar dinheiro no aeroporto. A minha host também tinha me avisado pra não trocar dinheiro no aeroporto, onde as taxas são mais altas (eu já sabia disso, quando estive em Praga troquei dinheiro na estação de trem e depois descobri lugares mais baratos pra trocar dinheiro na cidade), ela iria me mostrar um lugar melhor, logo se eu comprasse o ticket online não precisaria trocar dinheiro até encontrar ela.
          Independentemente disso fizemos o planejamento de como iríamos nos encontrar. Anotei o telefone e o endereço dela um dia antes e marcamos de nos encontrar na saída da estação de metrô Kievskaya, onde eu iria sair depois de pegar o trem. Ela me falou o seguinte: "Logo que você sair da estação de metrô Kievskaya você vai estar de frente para um shopping gigante, logo você saberá que está no lugar certo, eu vou estar lá, quase 100% certo no horário que o seu trem chegar, e acho que nós seremos capazes de nos reconhecer." Eu li essa mensagem e pra mim parecia tudo certo, até pensei em combinar algo como a cor da roupa, mas ela falou de um jeito que eu acabei achando que seria tranquilo. Até confirmei todos os lugares antes no google maps, achei o shopping para o qual eu estaria de frente, e achei o prédio que ela morava (em último caso eu tentaria chegar lá), parecia que tudo daria certo.
         Rapaz... mas deu muito errado. Foi um dos piores momentos que eu já passei viajando. Passei um desespero grande. Mas voltando pro começo.
        Desci no aeroporto Vnukovo em Moscou. Aqui uma parte muito engraçada. Fui passar na imigração. Cara, o controlador fazia uma cara muito séria, mas imagina, alguém muito sério, parece que ele queria realmente intimidar. Pediu o passporte, passei pra ele. "-Você fala russo? (em inglês)" "Não." Ele baixou a cabeça e começou a conferir, daí do nada ele levanta a cabeça rapidamente, com aquela cara muuuito séria, pense alguém tentando fazer cara de mal, mas era tanto que eu achei foi engraçado, rapidamente ele baixou a cabeça e eu até dei uma risada, logicamente silencionsa, heuaheuaheu. Assinei um papel X, e pronto, tava liberado.
       Aqui é bom lembrar a sorte que eu dei em poder ir para Moscou. Até uns 2 anos atrás eu precisaria de visto. Só que desde então brasileiros não precisam de visto pra visitar a Rússia a turismo e vice-versa. Isso até me rendeu uns minutos a mais de espera antes de embarcar no vôo em Stuttgart. Eu entreguei minha passagem e passporte no embarque logo antes de entrar no avião, a mulher olhou, pensou um pouco.. e daí perguntou pra outra: "Um passporte brasileiro aqui, não precisa de visto?" Foi lá no computador e começou a procurar com a outra, isso o pessoal atrás de mim esperando, hahaha. Mas aí foram só uns 2, 3 minutos e tava resolvido.
       Descendo no aeroporto em Moscou o primeiro problema. Trocar dinheiro. Entrei no câmbio. Cara, a mulher simplesmente não falava inglês, só falava russo. Eu até demorei pra acreditar, pois logicamente ela deveria falar inglês, cheguei já falando: quero 10 euros em rublos. A mulher começava a falar umas coisas, mexia no computador, e eu achando que eu não estava entendendo porque o inglês dela deveria ser ruim. Repeti, e ele falava de volta e eu não entendia nada, comecei a mostrar a nota e mesmo assim ela tava toda enrolada. Era muito engraçado porque eu falava em inglês e ela em russo, e assim a confusão não se resolvia. Mas era tão difícil dela entender que eu queria trocar aquela nota de 10 euros por rublos? Foi então que entrou um cara e começou a intermediar a negociação, hahaha. Ele falou inglês comigo e daí eu expliquei pra ele, e ele falou em russo pra mulher. Nossa, que trabalho. Peguei meus rublos e daí pelos menos a placa para pegar o AeroExpress eram em inglês, então não foi difícil chegar lá, era do lado de fora do aeroporto. Comprei o trem e deu tudo certo, eu chegaria no horário marcado com a Sveta, a minha host.
Estação do trem AeroExpress do aeroporto

           Trem bem arrumado, limpo e pontual. Pela janela já dava pra ver a neve em alguns pontos, mas muito ruim porque já estava escuro. Depois de 40 minutos cheguei pontualmente na estação Kievskaya, no horário marcado, 18:35. Saí da estação e tcharam! Lá estava o shopping, como eu tinha olhado no google maps, lugar certo, hora certa, agora é só reconhecer a Sveta. Como marcado, eu dei um passo pra fora e encostei ali na parede do lado de fora, num lugar bem visível. Cara, era muita gente circulando ali na frente, mas não tinha erro, era muito gente circulando, mas não gente parada, logo não tinha porque ser difícil nos acharmos. Parei ali do lado de fora, e tranquilamente comecei a passar uma vista por todos os lados pois a Sveta teoricamente já devia estar lá também. E nada de ver ela.. Sem problemas, ela pode ter se atrasado alguns minutos, vou ficar aqui no lugar certo.

Dentro do trem

 Primeira moedas de rublo

Mapa do metrô de Moscou


              E assim os minutos foram passando, até aqueles 10, 15 min de atraso parecia tranquilo. E assim o tempo foi indo, 20 minutos, 25 minutos.. Não dava mais, eu não aguentava de frio, a temperatura estava por volta de 0ºC e ainda uns chuviscos de vez em quando. Voltei rapidamente pra dentro da estação pra me esquentar um pouco e depois de 5 minutos já estava de volta no mesmo lugar. Agora já íam 30, 40 minutos... Cara, imagina minha situação, essa hora eu parei pra pensar nos riscos. Eu estava em um lugar X no meio de Moscou, não conhecia ninguém naquela cidade, tinhas algumas migalhas de rublos no bolso (foi quase tudo pra pagar o trem, logo teria que procurar sozinho onde trocar mais dinheiro), não teria onde dormir caso não encontrasse a dita cuja, até meu dinheiro era limitante (eu levei pouco dinheiro por dois motivos, primeiro eu realmente não tinha mais, e segundo já contava em gastar pouco), eu estava sem cartão de crédito, estava muito frio, eu tinha um problema de me comunicar com as pessoas muito grande e meu celular não tinha nenhum sinal. A Sveta tinha me dito pra eu mandar SMS caso fosse chegar atrasado, por ela ter falado isso eu até imaginei que o celular poderia pegar algum sinal, assim como ele funciona pelo menos nos países vizinhos da Alemanha. Logo ela não tinha como ligar, e eu também não.
             Ok. Eu tinha um problema. Mas ainda estava tranquilo, era só achar algum ligar onde eu pudesse ligar pra ela e tudo iria se resolver. Digamos que não foi tão fácil. Desisti de esperar. Também já não aguentava mais ficar parado no frio. Procurei ao redor por algum telefone, e nada. Até achei uma casa da câmbio lá perto, já estava até pensando no plano B. Nada de telefone na rua, entrei no shopping. E de cara me deparo com uma cabine vermelha com um telefone dentro. Opa! Foi bem fácil. Era só esperar um cidadão que estava lá dentro desocupar e beleza. Fiquei lá esperando do lado. E lá foram 10, 15 minutos... e nada do cidadão sair, comecei a perceber que ele estava com várias folhas que pareciam vários telefones, nomes, algumas contas pelo meio, e ele toda hora pegava alguns papéis, anotava algumas coisas, etc. Já era, não é hoje que ele vai sair daí. Fui dar uma volta no shopping atrás de outro telefone, e nada. Só aí foram uns 15 minutos, voltei pra cabine vermelha, agora já fazia mais de meia hora e o cara ainda estava lá!!! Maldito! Resolvi tentar a primeira comunicação com algum cidadão. Cheguei pra um vendedor de uma loja. "Do you speak english?" E ele: "Bit, bit." heuaheuhau. E comecei a perguntar sobre o telefone da cabine vermelha, que estava logo ao lado, queria saber como era, se iria precisar de moedas, etc. Eu fiz sinal de ligação com a mão pra dar a entender melhor, e ele: "Moscou! Moscou!" e fazendo círculos com a mão. Huhaeuhue, ele realmente não falava nada, eu não entendi nada. Desisti e fui procurar um ponto de informação. Ah, finalmente alguém que falava inglês. Descobri então o que o vendedor queria dizer, aquele telefone fazia ligações gratuitas dentro de Moscou, era por isso que o cidadão não saía de dentro da cabine!
Perguntei onde poderia achar outra cabine telefônica, resposta: essa era a única! Pelo que eu entendi também não existe orelhão em Moscou. Cara, que dificuldade pra se fazer uma ligação nessa cidade!
            Voltei mais uma vez, e já eram uns 40 minutos com aquele indivíduo dentro da cabine! Mudança de planos. Vou tentar dessa vez abordar alguém jovem, que provavelmente fala inglês e pedir informação. Tentei falar com um cara e ele acenou negativamente. Nessa hora vi um cara e uma mina que trabalhavam num ponto de vender chips de celular. Os dois bem jovens. Ufa, o cara falava inglês, a mina só enrolava. Expliquei que queria fazer uma ligação,  já sabia do telefone vermelho, mas que já tinha esperado 40 min. Eles primeiro estavam entendendo que eu queria era compar um chip, até que eu falei bem claro: eu quero fazer UMA ligação. Nessa hora o cara puxou o celular do bolso dele: "Qual é o número?" Nossa, esse cara caiu do céu. Mostrei o número pra ele, ele discou e me deu o celular. Ah, finalmente tudo está resolvido. E o telefone começou a chamar... chamar........ chamar.... tu, tu, tu, tu. Aaaaahhh! Socorro! A ligação caiu! Nínguem atendeu! Nessa hora só tive um pensamento involuntário: Puta que pariu, fudeu! Hauheuahuahe. Respirei fundo, tentando manter a calma. Voltei pro cara e falei: "Cara, a ligação caiu, nínguém atendeu, eu poderia por favor tentar mais uma vez? Foi mal, mas eu realmente precisava falar com essa garota, eu não conheço ninguém aqui...". Ele foi curto e objetivo, só mandou um "Ok". Ele rediscou e lá fui pra mais uns momentos de tensão ouvindo o telefone chamar. Chamando (tenso).... chamando (ficando mais tenso ainda).... chamando (momento tensíssimo)...... tu, tu, tu, tu. Cara, não sei nem escrever o que eu pensei nessa hora, eu estava em estado de choque, heheh. Já comecei imediatamente a traçar um plano B na cabeça, com o seguinte cenário: eu estava sozinho em Moscou, não conhecia ninguém e não tinha onde dormir.

Continua...

Rússia

           
                                
        Acabei de voltar do lugar mais longe que já estive de casa, digo minha cidade natal. São 10.000 km que separam São Luís de Moscou. Isso significa um quarto da circuferência do planeta. A viagem mudou completamente desde que eu comprei a passagem com quase 4 meses de antecedência por um preço bem em conta.
        Inicialmente eu iria encontrar com meu irmão Claudiomar Filho lá em Moscou. Ele já tinha a passagem comprada para os dias 9 a 13 de novembro, e foi exatamente quando as passagens para Moscou estavam no preço mais barato nesse período, passagens com vôo direto Stuttgart-Moscou. Sem hesitar confirmei com ele as datas e comprei a passagem. Acontece que ele passou em um concurso que mais que dobrou o salário que ele ganhava, e assim ele deveria estar presente durante o mês de novembro para assumir o cargo. Logo então ele me falou, e ao mesmo tempo recebi uma ótima notícia e uma não muito boa, eu agora iria sozinho para Moscou. Até convidei uns amigos meus para ir comigo, mas é era difícil alguém comprar as passagens assim de repente para as mesmas datas que eu queria e pra um lugar, digamos, que não é onde o pessoal geralmente vai.
        A viagem já seria uma aventura de qualquer forma, já que em Moscou não é fácil ser turista sem falar nada de russo, e agora eu teria que ir sozinho! Como Claudiomar Filho é um membro muito ativo do Couchsurfing.com seria muito fácil para ele arranjar uma acomodação, mas não pra mim que ainda sou iniciante, e só tenho uma recomendação, que é exatamente dele, o que é já uma ajuda muito grande.
          Com um pouco de sorte mandei uns pedidos de acomodação para algumas pessoas, ainda comecei escolhendo gente por volta da minha idade, e uma russa me aceitou. Caso contrário eu iria mandar para qualquer outras pessoas, pois não queria pagar por volta de 15 a 20 euros por cada noite em um hostel. Passagem comprada a muito tempo, casa pra ficar, agora era só arrumar a mochila e vamos lá! Essa com certeza foi a viagem de maior aventura que eu já fiz, ir pra um lugar bem longe até da Alemanha, onde dificilmente se fala inglês (quem dera outras línguas), um alfabeto completamente diferente (tá, algumas letras são escritas iguais, mas é completamente impossível ler qualquer coisa), com o contato de apenas uma pessoa, que eu nunca vi, apenas conversei pela internet e ainda por cima sozinho.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Finalmente dias dignos de verão

Logo após a minha prova de Betriebswirtschaftslehre (toda essa palavra em português seria apenas Administração), parece que o verão finalmente chegou de verdade. Cara, a temperatura começou a passar dos 30 graus, o que se torna até um evento nessa cidade fria, haheuhea. Era até ruim de ficar dentro do meu quarto, porque eu não tenho ventilador muito menos ar condicionado. A temperatura chegou até uns 35 graus em alguns dias, pena que durou basicamente uma semana o calor de verdade, que foi a última semana de agosto. E aí não tem programa melhor do que ir pra "praia de alemão": ir pra piscina. E são várias aqui em Stuttgart. Em geral elas estão dentro de um complexo, com aréa verde, piscinas infantis, geladas, quentes, com gás! Algumas tem trampolim e toboágua. Assim em num intervalo de uma semana fui quatro vezes na piscina, cada dia em um lugar diferente. A primeira vez fomos numa que se chama Mineralbad. Lá na entrada você pode tomar uma água mineral com gás mas que tem um gosto muito estranho, ele me parece salgada, bem estranha, o gosto não é bom. Agora qual não foi a surpresa quando descobrimos que tinha uma piscina inteira com essa água? A piscina tem água com gás! É muito estranho, porque você nada e fica sentindo o gosto estranho da água. A piscina era também bem gelada e basicamente frequentada por idosos. Mas foi muito caro, 4,70 euros preço de estudante para permanência de 2 horas!

A caminho da piscina



Depois em outro dia decidimos ir em uma piscina que ficava próxima ao parque de Killesberg, lá pelo menos tinha tranpolim, e o preço era justo, estudante paga 2,40 euros sem essa de marcar horário, pode ficar o dia inteiro, sendo que as piscinas fecham às 8 horas da noite.

A caminho do parque Killesberg

Killesberg

Engraçado que no meio do parque tem meio que um zoológico gratuito





Eu e as frô


E lá vai o pulo do trampolim



Outra vez fomos na melhor piscina, mesmo preço da anterior, e tinha tranpolim e toboágua. E ainda era a piscina mais perto de casa.





Toboágua ao fundo

Depois dessa piscina ainda fomos comer o que seria O prato da culinária alemã: Eisbein mit Sauerkraut, ou seja, Joelho de porco com Chucrute! Esse prato é realmente caro, onde fomos comer ele custa 10 euros, mas acontece que tem uma promoção que depois das 10 da noite, não lembro se era todos os dias, quando eles estão perto de fechar, você compra um e ganha dois!

Joelho de porco com chucrute! E claro né, como não podia faltar no saudável cardápio alemão batata frita

Cara, a parada é muito, mas muito gordurosa. E você fica empatufado porque é bastante comida, e a gordura parece que não desce toda do esôfago, fica até ruim de respirar, heauheah. No outro dia eu resolvi acabar com esse porco que tava dentro de mim, resultado: fui pra academia e corri 30 minutos a 10km/h, foram 5 km corridos na esteira, em São Luís isso daria pra eu sair de casa, correr até a praia e voltar sem parar. Suei muito, mas depois até me senti bem, finalmente tinha mandado o porco embora, heuaheuaehu.

Um outro dia ainda resolvi dá umas voltas de bicicleta e entrei na floresta que tem aqui do lado de casa e mais na frente ela sai em um lago.

Moradias estudantis da Universidade de Stuttgart

Lago no meio das moradias





Minha moradia, 08 D



Adentrando a floresta


Aqui eu fiz uma tentativa de "Onde está Wally?", huehaua...

... nível 1 ...

... nível 2 (dica: estou de boné branco) ...



Até que atravessei uma rua pra chegar no lago